Desemprego e informalidade, riscos para o acúmulo de capital humano no Brasil

Avaliação do Usuário: 5 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

 

A economia do Brasil cresceu a uma taxa média de 3,2% durante a década passada e conseguiu reduzir a incidência da pobreza para níveis próximos a 13,3%. Estes avanços estão sendo ameaçados pela recessão econômica que o país enfrenta desde 2014, a qual deteriorou as condições do mercado de trabalho devido ao aumento sustentado da taxa de desemprego, que cresceu em 2016 até 11,8% em agosto, e da informalidade, que afeta 23% dos trabalhadores no setor privado.

De acordo com o Relatório de Economia e Desenvolvimento (RED) de 2016 "Mais habilidades para o trabalho e a vida: as contribuições da família, da escola, do ambiente e do mundo laboral", que o CAF -Banco de Desenvolvimento da América Latina- apresentou  em Brasília, o desemprego e a informalidade podem prejudicar o capital humano dos seus trabalhadores e deixar suas marcas além do ciclo econômico ao reduzir as possibilidades que dá ao mundo laboral para manter e adquirir habilidades  e deixam 'cicatrizes' em suas futuras carreiras laborais

Pablo Sanguinetti, economista-chefe e diretor corporativo de Análise Econômica e Conhecimento para o Desenvolvimento do CAF, afirmou durante sua apresentação que o RED 2016 mostra que as habilidades das pessoas, tanto cognitivas como socioemocionais e físicas, são muito importantes para melhorar suas perspectivas no mercado laboral. "Pessoas com maiores habilidades têm maiores probabilidades de conseguir um emprego que seja de boa qualidade (formal) e seja bem-remunerado", explicou Sanguinetti. "Como as habilidades que não são usadas se deterioram, a passagem pelo desemprego deixa suas 'cicatrizes' ao afetar as futuras perspectivas de trabalho do desempregado, o qual contará com um conjunto reduzido de habilidades".

Um dado importante, segundo Sanguinetti, é que o segmento de pessoas que passa mais de um ano sem emprego aumentou durante a recessão. Enquanto que em dezembro de 2013 era de 15,3% do total de desempregados em fevereiro de 2016 passou a representar 20,9%. Esta nova composição do desemprego reforça os perigos de longo prazo envolvidos nessa recessão prolongada para a aquisição de habilidades dos trabalhadores.

O RED 2016 destaca a existência de três canais básicos para o acúmulo de habilidades no trabalho. Através dos dados da Pesquisa CAF 2015 realizada na cidade de São Paulo, verificou-se que aqueles que contribuem relativamente mais são a aprendizagem na prática e a aprendizagem através da interação com os colegas de trabalho. Em terceiro lugar também contribuem, ainda que de menor forma, os cursos de formação. Sobre estes cursos, outro dado da Pesquisa CAF 2015 mostrou que apenas 30% dos trabalhadores em São Paulo estão empregados em companhias que lhes ofereceram algum curso de formação.

"Estar exposto ao ambiente laboral não apenas permite que as habilidades não se deteriorem, mas que o trabalho seja em si mesmo um espaço de aprendizagem e de aquisição de habilidades tanto técnicas como socioemocionais", explicou Sanguinetti. "Mas são os trabalhos formais e em grandes empresas onde se torna mais provável que a aprendizagem através destes três canais ocorra".

O relatório observa a necessidade de estimular políticas que reduzam a informalidade para preservar e fortalecer o capital humano do Brasil, já que, além da sua alta incidência, muitos dos trabalhadores informais atuam por conta própria (40% em 2014), ou seja, trabalhadores independentes sem empregados encarregados, onde as oportunidades de aprendizagem e o uso de habilidades são escassos. Por exemplo, de acordo com o RED 2016, enquanto um de cada três empregos no setor formal exige habilidades cognitivas complexas, apenas um de cada seis exige o mesmo no setor informal.

Por último o relatório assinala que as pessoas com habilidades mais elevadas são as que têm maior probabilidade de tirar proveito do aprendizado que o mundo laboral oferece. Mas, as habilidades que uma pessoa oferece se formaram e se acumularam gradualmente ao longo de toda a vida em um processo no qual influem não apenas a escola, mas também a família e o ambiente. Portanto, de acordo com o RED 2016, para chegar a uma força laboral talentosa se exigem políticas públicas coordenadas que promovam a formação do capital humano nestas quatro áreas.

Fonte: Revista Administrador

 

Finance365 Família de Parceiros

Finance365 traz ao mercado, uma nova mentalidade sobre Governança e Gestão Empresarial. Nossa meta é apresentar aos clientes como aumentar seus lucros através de boas práticas na Governança Corporativa, com crescimento sustentável.

Atendimento Especializado

Miramar, Flórida, USA

Alphaville - Barueri

Email: contato@finance365.net.br

Fax: +55 11 2680-5094

Webistewww.finance365.net.br

Depoimentos


"Ficamos surpreendidos positivamente com a qualidade das respostas, vale a pena !"
Cleber Oliveira - Advanced Consultores
"Deixe seus comentários sobre o uso de nossa aplicação."
Administração - Gestão Canal da Governança
"Governança está nos apoiando a ver o negócio de outra forma, mais racional e objetiva."
Moacir F Teixeira - ECOAGRO